O período de risco ampliado para a proliferação do mosquito Aedes aegypti está no início e o Norte de Minas já registra 238 casos prováveis da dengue nas últimas quatro semanas. O número representa uma média de quase nove casos notificados por dia na região.

Esse é mais um motivo de alerta para que a população e o poder público redobrem a atenção com os pontos de foco do mosquito transmissor da dengue, zika e chikungunya.

Como O NORTE mostrou em janeiro, o Levantamento Rápido de Índices de Infestação pelo Aedes aegypti (LirAa), realizado na cidade entre 6 e 8 do mesmo mês, detectou uma taxa de 10,3% – índice dez vezes superior ao considerado seguro pelo Ministério da Saúde, que é de 1%.

Mas esse é o índice médio na cidade, que representa risco de epidemia da doença. Há pelo menos 17 bairros com taxa de infes-tação por larvas do mosquito acima de 20%. Em alguns bairros, o índice ultrapassa 30%, como o Maria Cândida, onde foi registrada taxa de 38,4%. Isso quer dizer que, de cada dez casas vistoriadas, praticamente quatro têm focos do Aedes. Montes Claros já registrou, em quatro semanas, 22 casos prováveis de dengue.

REGIÃO
E os riscos se repetem em outros municípios do Norte de Minas, expondo a região a uma grande probabilidade de epidemia.

Durante várias semanas, o município de Josenópolis está entre os líderes de incidência muito alta no Estado. No período de 22 de dezembro a 18 de janeiro, a cidade é a vice-líder no ranking de municípios com essa classificação, que reflete o número de casos em relação à população.

Josenópolis já soma cem casos prováveis da doença nesse período. Já Padre Carvalho está entre os municípios com alta incidência e registra 26 notificações. Em Jaíba há um registro de caso de dengue com sinais de alarme – são 14 desse tipo no Estado.

AÇÕES
Na última semana, referências técnicas da Regional de Saúde de Montes Claros realizaram visitas técnicas aos municípios de Josenópolis e Padre Carvalho – localidades que somam, segundo o último Boletim Epidemiológico divulgado no dia 28, 126 casos prováveis de dengue.

A superintendente regional de Saúde de Montes Claros, Dhyeime Thauanne Pereira Marques, explica que as vistas técnicas aos municípios que apresentam alta ou muito alta incidência de casos prováveis de dengue objetivam reforçar a execução dos planos de contingência com vistas ao combate aos focos de proliferação do mosquito.

“As visitas envolvem a participação de referências técnicas dos núcleos de atenção primária à saúde; vigilâncias epidemiológica, ambiental e de saúde, regulação e redes de atenção à saúde”, aponta.

De acordo com a coordenadora do Núcleo de Vigilância Epidemiológica, Ambiental e de Saúde do Trabalhador da Regional de Saúde de Montes Claros, Agna Soares da Silva Menezes, os municípios precisam colocar em prática os planos de contingência elaborados no segundo semestre do ano passado para o enfrentamento das doenças transmitidas pelo Aedes.

O plano contempla aspectos relacionados à vigilância em saúde, mobilização, controle vetorial, assistência ao paciente, comunicação social e gestão. Nesta época do ano, período de chuvas na região Sudeste, Agna Soares lembra que é importante que os municípios reforcem as ações de mobilização da população quanto à eliminação de focos do Aedes, uma vez que cerca de 80% da proliferação do mosquito acontece dentro de imóveis.

Região já registrou 238 casos prováveis da doença em apenas quatro semanas, média de quase nove notificações por dia

Fonte: onorte.net