segunda-feira, 25 outubro(38)99114-1908

Opção criada na base, Marquinhos busca espaço no meio-campo do Galo

gall
Marquinhos (dir.) tem tido oportunidades no time do Atlético — Foto: Bruno Cantini/Atlético

O meia Marquinhos tinha apenas 17 anos quando estreou com a camisa do Atlético, em um jogo do time reserva contra a Chapecoense, no Campeonato Brasileiro de 2017. Depois disso, o jogador entraria em campo outra vez em 2018 (contra o San Lorenzo, pela Copa Sul-Americana) e, em seguida, seria emprestado para a Chapecoense.

Em 2019, Marquinhos voltou para a Cidade do Galo, mas para integrar o time sub-20. Destaque da equipe de juniores, Marquinhos foi convocado pelo time de cima, participando de quatro dos últimos sete jogos, tanto sob o comando do ex-técnico Rodrigo Santana como do atual, Vagner Mancini.

Em duas dessas quatro partidas, ele foi titular e passa a ser uma das esperanças de “gás novo” num elenco que não conseguiu produzir o esperado na temporada. O Atlético não conquistou títulos no ano e briga, neste momento, contra o rebaixamento no Campeonato Brasileiro.

Perguntado sobre o que ele acha das oportunidades dadas a atletas da base em momentos de crise, Marquinhos se esquivou. “É uma pergunta que a diretoria e o treinador podem te responder (risos). É difícil responder essas coisas. Mas, dando a oportunidade ou não, temos de estar juntos, se fechar, para sair dessa situação juntos”, destacou o jogador, que completou 20 anos no fim do mês passado.

Após o jogo contra o Santos, Mancini deu a entender que Marquinhos ainda não é maduro o suficiente para assumir a responsabilidade. De toda forma, depois do jogo contra o Peixe, ele atuou em duas das três partidas seguintes, contra São Paulo e Fortaleza, ambas, entrando no segundo tempo. “Temos que estar preparado para qualquer coisa quando subimos para o profissional”, destacou.

Mancini disse que, para ganhar uma oportunidade na equipe, era preciso se adaptar à sua filosofia de jogo. Marquinhos afirmou que tem procurado assimilar o que o treinador pede neste momento de transição.

“Ele (Vagner Mancini) está me ajudando muito. É uma mudança muito grande para quem está subindo da base. É um grande treinador, que está me passando confiança”, ressaltou.

Fonte: otempo.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *